9 ene. 2013

Os falsimedios já nom precisam de ética jornalística: Os/as melhores reporteiros/as som os/as que vam na busca da carnaça.

Na toma da aldea de Quistiláns nom só destacava um mais que amplo despregue de tropas policiais encarapuçadas e os carros sem matrículas, ao seu carom, ao igual que o que se passa com as tropas invasoras ianquies, havia jornalistas “empotrados”. Para quem nom sabedes, estes pseudojornalistas figeram-se farto conhecidos quando as invasions ianquies de Afganistam e Iraque pola sua manifesta obediência às ordes militares e a sua submissom as informaçons com a conseguinte manipulaçom e tergiversaçom dos feitos ( em clara contra-partida com jornalistas que iam por conta própria e dispostos a luitar pola liberdade de expressom, como os assassinados José Couso e Taras Protsyuk ).

No caso que nos ocupa estes jornalistas empotrados iam com o logotipo da RTVG, umha cadeia pública (ou seja pagada polo povo) e nom se contentarom com fazer seguimento com as suas cámaras de tudo quanto a polícia lhes facilitava, senom que se adicarom a gravar e seguir com as suas cámaras às pessoas que estavám lá dando ànimos e carinhos ao Senlherio, quem é o seu amigo ou familiar benquerido.

Estamos numha sociedade na que aprendemos dia a dia a ser objectivo de criminalizaçom por parte destes vividores da mentira e do enaltecemento do medo para contra quem se move e protesta, isso nom se lhe escapa a maioria das pessoas que estiverom ontem lá dando ànimos ao seu colega, mas o que nom é de recibo é que essa escória pagada com nossos quartinhos vaiam cámara em riste perseguindo a imagem desolada da mae de Senlheiro: a carnaça mais apetitosa !! , achegando-se até a sua morada a ver que podiam captar ( e cabe sinalar que a vivenda onde mora a mae, nom foi, como digerom alguns falsimedios, entre eles a própria RTVG, a casa registrada, pois Hadriám mora numha outra vivenda da aldea distanciada uns quantos metros da da sua mae).

Mas nom fica ai a cousa, agora resulta que segundo esse falsimedio público, as agressoras (em especial a jornalista da foto) passam por arte da tergiversaçom a ser as agredidas pelo simples feito de que, entre as pessoas que estavam lá, algumha fartou-se da atitude chulesca e provocadora da jornalista à busca da imagem da mae destroçada, e isso depois de vários intentos de que marcharam polas boas e deixaram tranquila a mae de Senlheiro com a sua pena, mas a nom ser isso possível, num momento de máxima tensióm houvo quem decidiu faze-los fugir (aos jornalistas) com o tiro dalgumha pedra que esnaquizou apenas a carroçaria do coche oficial (e que pagamos todas).

Assim no telejornal do mediodia, abria-se com a notícia da detençom de Senlheiro e com o subtitulo de “Agriden traballadores da Televisión de Galicia”

Assim como se observa no vídeo, mesmo antes de noticiar a detençom, abrirom com as vozes dumha pessoa recriminándo-lhe a atitude carronhenta às “trabalhadoras da RTVG” e dando umha lecçom de ética jornalística (algo do que já carecem estas mercenárias ), mas curiosamente a voz da locutora do noticiario (como se a reganha dessa pessoa que acabaram de emitir nom tivera importância) entra a notícia com “um grupo de pessoas atacou com paus e pedras dous equipos de televisom… Bla, bla, blá”, buscando com elo criminalizar também às amizades e familiares e nom só ao “Senlheiro” ( de quem os falsimedios e a través da informaçom suministrada pola polícia à agência parapolicial EFE, já se encarregaram de criminalizar e de sinalar múltiples aspectos da sua trajectória militante ).

Como di Roi na sua excelente “Carta urgente para Hadriám”, para quem temos o lujo de trata-lo como amigo, ainda nom comungando com o independentismo militante, sabemos que “Senlheiro”é “um activista honesto, nada sectário nem politiqueiro, generoso e sempre disposto a trabalhar em comum para transformar desde já umha realidade injusta para as de abaixo”. Eu recordo-o de cativo nas Marchas às Prisons abanando a sua “estreleira” entre bandeirolas anarquistas e caminhando ao nosso carom berrando “cárceres demoliçom” (a seguinte foto é de 2004) .

Mas voltando ao tema jornalístico, umha vez mais vemos a todos os falsimedios a repetir ao unísono a mesma cantinela de “terrorismo”, “perigosidade social”, e dando voz aos culpáveis da situaçom que sofremos, como ao vicepresidente da Junta e conselheiro de Presidência, Alfonso Rueda, quem (obviando os múltiples casos de corrupçom dos membros do seu partido) nom tivo reparos em declarar que "este tipo de personas, este tipo de actitudes, y las personas que las apoyan, no tienen ninguna cabida en la sociedad gallega"; e digo eu que será na sociedade galega que eles perseguem e querem manter a tuda costa: umha sociedade governada por tramposos e ladrons, por prevaricadores e déspotas e um povo submisso e calado que aceite as suas penas e desdichas como acto de fe esperando ver-se recompensados, umha vez mortos, com o ceu que se inventarom os mesmos que nos roubam a base de enganos, de medos e de castigos eternos.

Mesmo derom-se casos de jornais que, como aponta Marcos A.M. no GalizaLivre ao respeito do publicado pelo que ele chama “o esmorecente jornal da hostelaria santiaguesa” El Correo Gallego: “O único que serviu de carnaça, e que a pluma mercenária aproveitou como pudo, foi um perfil do Senlheiro na página de procura de emprego Xing. Resulta que esta página tem umha ficha para resumir as aptitudes do demandante de emprego, entre as que figuram os idiomas que domina. Entre os que se pode incluir nom consta o galego, o que foi empregado polo El Correo para proclamar com língua bífida: “ofrecía sus conocimientos en varios idiomas entre los que no figura el gallego”.

Um outro aporte de carnaça, foi a notícia publicada polo pseudojornal “La Voz de Galicia” que a méia tarde de ontem publicava na sua web com titulares : “Um outro terrorista fugiu do monte” e dava o seu nome e filiaçom completa “Carlos Calvo Varela”. O redactor deveu escuitar algo das notícias facilitadas pela polícia e raúdo foi da-la primícia, mas sem se decatar de que Carlos era impossível que estivera esta segunda feira polos bosques de Ames, pois Carlos Calvo fica prisioneiro desde setembro de 2012, agora em Topas (Salamanca) e antes em Soto del Real, em Aranjuez e em Valdemoro. Ve-se que alguém mais avistado descobreu o erro e agora já nom é possível atopar essa metedura de zoca na internete e em troques agora falam de que se fora em setembro quando fora avistado por esse mesmo monte o Carlos Varela e que por isso estava sendo controlada essa zona.

Isso sim em nengum dissos pseudojornais fala-se das palavras de orde do “Senlheiro” dirigida às suas amizades e família entanto o registro e toma policial de Quistiláns denunciando que foi torturado e ameaçado polas forzas policiais.

Mas assim é este mundo, um fascista do PP a toda hóstia ao volante mata a dois dos seus companheiros em Cuba empotrándo-se contra umha árbore, aos poucos meses consegue a extradiçom a Espanha e já está a piques de conseguir o 3º grado e voltar ao seu trabalho de assessor do concelho de Madrid (pagado com quartos de todas), vários moços de esquadra com condenas firmes por torturas som amnistiados num plis-plás (qualquer dia os ascendem ou dam-lhe um prémio), entanto David, um exdrogadicto vigués totalmente rehabilitado nom recebe o indulto e entra a cumprir cárcere pese a que sua culpa foi passar-lhe a um outro drogadicto 0’4 gramos de heroína há vários anos atrás!! .

Só para rematar cópio e colo o final da Carta Urgente para Hadriám : “Agora toca sacar-te a ti e aos demais das gadoupas dos de arriba. Recebe um abraço forte e agardo ver-te mais cedo que tarde de novo por Compostela. A tua ausência vai-se notar muito, companheiro”.

Asdo: Edu

3 comentarios:

  1. Contava no artículo da metedura de zoca de La Voz de Galicia ao respeito de que avistaram ao Carlos Calvo nesta 2ª feira nos montes e que este fugira, quando a realidade é que este fica ainda prisioneiro em Topas. E dava conta da despaariçom na rede da tal metedura de zoca. Pois bem um outro maravilha de jornal ainda mantém o erro informativo (esta polícia cada dia se comunica pior com os seus vozeiros), é o caso de "El Faro de Vigo" que nos ilumina com estas palavras na sua web: "La Policía, sin embargo, no pudo detener a otro presunto miembro de Resistencia Galega que avisaron durante la operación del lunes por la noche junto a Mosquera. Esa persona podría ser Carlos Calvo Varela, detenido e septiembre en la cita operación en Vigo cuando portaba artefactos explosivos. El presunto miembro de la banda escapó". (ver se nom o quitam em http://www.farodevigo.es/galicia/2013/01/09/policia-considera-descabezada-nueva-cupula-resistencia-galega-detencion-ames/737724.html )

    ResponderEliminar
  2. Um tanto de humor nunca vem mal:

    Polícia espanhola contrata Iker Jiménez para investigar casos de bilocação em presos políticos

    Tudo começou – segundo informa o mais veraz e imparcial jornal de Malícia – quando nos passados dias a polícia espanhola perseguiu durante horas o suposto terrorista Carlos Calvo Varela num bosque de Ames, questão que não teria maior particular não sendo que tal pessoa leva desde setembro de 2012 preso nas masmorras da prisão de Topas, em Salamanca, onde continua totalmente incomunicado e sem ter nunca saído de prisão. «Estamos acojonados», declararam os polícias que identificaram nesse bosque o rapaz, logo de ligar para os guardas carcerários de Topas e terem verificado que o «susodicho» estava na sua cela.

    Recomendo lêr crónica à ìntegra nesta ligaçom:

    http://omentireiro.wordpress.com/2013/01/09/policia-espanhola-contrata-iker-jimenez-para-investigar-casos-de-bilocacao-em-presos-politicos/

    ResponderEliminar
  3. http://galizalivre.org/?q=noticia/12.01.2013/chefa-de-informativos-da-tvg-foi-interventora-do-pp-no-concelho-de-ames-0

    ResponderEliminar